<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5923387\x26blogName\x3dO+Zarolho\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ozarolho.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ozarolho.blogspot.com/\x26vt\x3d-6282572656080944474', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

O Zarolho

17 maio 2007

Ligar a dizer que está doente - uma arte esquecida

Quem é que nunca ligou para o escritório a dizer que estava doente? Foi a pergunta que no outro dia saltou no meio da conversa entre amigos. Depois de tantos exemplos tipicamente portugueses do chamado desfaine, cheguei à conclusão que poderia ser considerado uma forma de arte. Não falo de apenas um telefonema e um atestado. Falo de conseguir que esse dia nem seja descontado no ordenado nem nas férias. Isso sim, é arte! Decidi pois elaborar uma lista de conselhos que acho poderem ser úteis a quem se inicia no mercado do destrabalho.

- Ligar a uma sexta ou a uma segunda-feira é dar bandeira a mais. Só deve ser feito por pessoas experientes. Sexta-feira soa a “quero ir para a borga mais cedo” e segunda-feira a “estou de ressaca”.
- Se se esquecer de ligar e já estiver numa festa ou coisa parecida, peça a todos para se calarem. Se for apanhado diga que está a haver um aniversário nas urgências do Hospital. E critique, já não há respeito pelos doentes e tal...
- Não explique demasiado a doença nem entre em pormenores. Quando mais diz mais se entala. O chefe pode ser casado com uma médica ou então querer ir ter consigo para dar um apoio.
- Não seja apanhado no estádio a festejar o golo da sua equipa. Excepto se for do Benfica. Se for, espero que seja apanhado e despedido.
- Ser preso é uma desculpa plausível para faltar ao trabalho mas duvido que impressione positivamente os seus superiores.
- Só pode matar o cão e os familiares algumas vezes. Nunca diga os nomes de nenhum e prefira primos. São sempre mais. E já agora, lembre-se que só tem uma sogra.
- O Inverno é uma boa altura para dizer que está engripado. Não diga que tem gripe porque isso é algo grave e já requer um médico. Estar engripado é coisa que se resolve por si só num dia ou dois e em casa.
- Doenças dos filhos resulta mas é preciso mesmo tê-los.
- Nunca apareça moreno depois de dizer que esteve doente.
- Problemas com o carro.... Funciona aqui e ali, mas depende do carro que tem. E muitas vezes dá para levar com o colega a dizer que vem todos os dias de comboio e que chega sempre a horas e nunca falta...
- As mulheres podem dizer que tem um “problema feminino”. Se tiver um chefe homem ele não vai querer saber mais do que é obrigado sobre o assunto. Se for homem pode tentar desculpar-se com isso. Se fosse seu chefe eu dava-lhe a semana nem que seja pela coragem que teve em tentar dar uma tanga tão má.

Agora pergunto eu, como é que o pessoal que trabalha em casa faz? Não faz, né? São uns infelizes que não podem faltar ao trabalho. Não se apercebem do prazer de enganar os patrões. Ligar para o emprego com um lenço entre o telefone e boca, os dedos a tapar o nariz, a voz nasalada...ahhhhh.
Bem, na pior das hipóteses ligam e dizem, olhe, estou assim um bocado adoentado por isso vou trabalhar para o escritório. Não faz muito sentido...

Telefonar para o escritório a dizer que está doente é uma forma de arte que requer atenção e talento, mas por favor se estiver mesmo doente, não vá trabalhar. Ninguém quer apanhar o que quer que tenha e estragar um ou dois dias que dariam perfeitamente para estar saudavelmente doente em casa.

posted by Dimitri Apalpamos @ 3:34 da tarde,




14 maio 2007

O Papa no Brasil, pediu castidade aos Jovens

Se eles tiverem alguma questão a colocar, os padres terão o maior gosto de explicar melhor esta ideia em privado.

posted by Dimitri Apalpamos @ 11:27 da manhã,




04 maio 2007

Como eu, mas não eu.

Tenho um certo problema com algumas mulheres. Bem não sei se pode ser considerado um problema. O problema não é elas não gostarem de mim. Não nem por sombras. Elas adoram-me....mas como amigo.
Não sei quantas vezes ouvi dizer: sabe mesmo bem, estar contigo. És um bom ouvinte. E querido...e amoroso...e blá blá blá. Quem me dera arranjar um namorado exactamente como tu.
???? Corrijam-me se estiver errado, mas assim normalmente como quem não quer a coisa, eu acho que sou bastante como eu. A resposta costuma ser “Bem...como tu, não tu. Não penso em ti desse modo.” (Toma que é para aprenderes)

Amigos, aviso-vos. Mal elas começam a não pensar em vós desse modo, começam também a sentir-se à vontade para falarem de tudo à nossa frente. Uma vez estive com três mulheres (ah ah ah....sei o que pensaram. Não foi assim desse modo, infelizmente). Três mulheres e eu, uma esplanada, elas uns borrachos e todas elas minhas amigas. Assim de repente a conversa muda de blá blá sapatos blá saias blá blá para Sexo! Começaram a falar de sexo à minha frente. Depois começaram a falar sobre há quanto tempo é que não o tinham. Elas falavam em termos de dias ou semanas. Eu se falasse, falava mais em termos de...mandatos presidenciais, enfim.
Depois houve uma, mais arisca que me surpreendeu com um suspiro e um “Preciso mesmo de Sexo”. As outras duas responderam praticamente em coro “Eu também preciso. Eu preciso de sexo.”

Foi demais para mim e decido interromper a conversa “Senhoras, vocês podem não saber isto. Nunca fiz segredo disto mas percebo que andem muito atarefadas e não tenham reparado, mas... não se assustem... eu tenho um pénis. Ó meu Deus, querem ver...Isso deve querer dizer que sou um Homem! E querem saber mais? E melhor ainda? Eu sou exactamente como eu”.

Mas como sempre, elas querem um gajo como eu mas não eu. Portanto, até encontrarem acho que vão ter que se contentar com algo que é como um homem, mas que precisa de pilhas.

Tradução muito livre de um texto em “Bulmash.com”.

posted by Dimitri Apalpamos @ 11:40 da manhã,




02 maio 2007

Frase com uma semana e meia de atraso ou será a Madeira um Campo de Concentração?
Realmente podiam concentrar-se lá e para sempre certo tipo de indivíduos...


posted by Dimitri Apalpamos @ 1:14 da tarde,