<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5923387\x26blogName\x3dO+Zarolho\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ozarolho.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ozarolho.blogspot.com/\x26vt\x3d-6282572656080944474', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

O Zarolho

29 julho 2005

Vou de férias

Durante as próximas 3 semanas não se vai passar quase nada neste blog.

Deixem sugestões para a próxima temporada.

Saudações zarolhas

posted by Dimitri Apalpamos @ 2:55 da tarde,




28 julho 2005

Ainda há gente séria

Soube-se que Bin Laden, há uns anos quis comprar grandes quantidades de cocaína aos barões colombianos, para lhe juntar veneno que mais tarde seria comercializado.
Felizmente podemos confiar no bom senso dos produtores de droga!

Donas de casa desesperadas

A SIC vai fazer uma versão portuguesa da série americana de sucesso e já escolheu as actrizes:
Maria Barroso, Maria Cavaco Silva e Bárbara Guimarães são as presenças confirmadas!

Campanha presidencial

Cavaco Silva assume candidatura mas mais uma vez recusa-se a aparecer nos cartazes de campanha.

Partido Comunista só apoiará Mário Soares numa segunda volta. Acho mal estarem a gozar com a idade do senhor...

Desmentido

José Sócrates nega o uso de factos concretos e de estudos para a decisão de construção da OTA e do TGV.

posted by Dimitri Apalpamos @ 12:44 da tarde,




26 julho 2005

Casas de banho para deficientes – um dilema ético

Este é com toda a certeza um tema polémico mas eu tenho que o abordar. Alguém tem que o que fazer!
Quando vou a uma casa de banho pública e o único cubículo disponível é para deficientes, faço sempre a pausa possível, dadas as circunstâncias, e questiono-me sobre a ética do que vou fazer. Depois decido entrar e fico um pouco mais à vontade mas de qualquer modo desconfortável. É que me sinto mal por estar num espaço do tamanho da minha sala. Sento-me lá, muito mais à larga mas fico sempre à espera que uma mão surga debaixo da porta e deixe uma multa de 150 euros por violar uma lei anti-obranço.

A questão que se põe é: Será que as casas de banho para deficientes devem ser só para deficientes?
A minha resposta é: Cum catrino! É claro que não. Eles que esperem como todos nós!

Se calhar a situação é moralmente equivalente a parar o carro no lugar para deficientes quando vai ao centro comercial. Mas se chegar com uma ferida aberta e precisar de ir à farmácia comprar pensos, ninguém o vai impedir de estacionar lá só porque não tem um autocolante azul.

Daqui para a frente, o tema torna-se um pouco mais profundo e sarcástico. Avançe por conta e risco.

Ocorreu-me, que a solução para o problema ético das casas de banho dos deficientes é simples. Equipe-se as cadeiras de rodas com um penico. Porquê forçar os deficientes a ter aquele trabalho todo se eles podem simplesmente fazer o serviço na própria cadeira? O receptáculo cabe debaixo da cadeira, por baixo do assento. Ainda para mais, de certeza que um cientista qualquer é capaz de descobrir uma maneira de transformar os dejectos em energia propulsora da cadeira. Provavelmente uma boa feijoada dava para fazer andar a cadeira um dia inteiro. É ecológico, no mínimo! Não há razão para os deficientes, só porque perderam as funções das pernas, não terem consciência ecológica.
É claro que a prisão de ventre numa pessoa com pressa seria catastrófico. Mas seria uma desculpa perfeita para chegar tarde ao trabalho – “ Desculpe, chefe, mas não tenho comido vegetais suficientes.”

É verdade que podem haver alguns problemas técnicos por resolver, tipo como baixar as calças para usar a toilette, mas nada que não se resolva. Por exemplo, se houverem umas calças especiais com um buraco atrás. Assumo que não deva ser muito confortável andar assim o dia todo, mas também ninguém vai saber, a não ser se ele fizer uma curva rápida, muito apertada e cair da cadeira. De qualquer modo, a hipótese de isto acontecer é mínima.
Outo obstáculo a este plano é que mesmo assim há-de haver alguns que queiram um pouco mais de privacidade. Isso resolve-se se se instalar uma cortina tipo cabine de votos na casa de banho. Aliás até era mais fácil de perceber se estava ocupada ou não. Se a cortina estivesse corrida então significaria que estava gente e que ainda não tinha ido reabastecer de combustível.

posted by Dimitri Apalpamos @ 4:09 da tarde,




25 julho 2005

Se eu ganhasse

Se eu ganhasse um euro por cada vez que me perguntaram nas últimas semanas se joguei ou o que faria se ganhasse o Euromilhões, não precisaria do Prémio para nada.

Não percebo o que é que interessa aos outros onde e como é que vou gastar o dinheiro. Eu acho que a maior parte das pessoas está à espera de uma resposta bizarra, do tipo vou mudar de sexo por dois ou três meses só para ver como é e a seguir mudo outra vez.
Desculpem desiludir-vos mas eu se ganhasse não faria nada disso. Eu simplesmente armava-me em Copperfield e tentava fazê-lo desaparecer todo.

De qualquer modo ouvi as respostas e sugestões mais esquisitas:

"Comprava 4 ferraris e vendia três!" - Juro que é verdade. Só ao vivo....
"Divorciava-me!" - Tão assim tão caros os divórcios?

Também queria deixar uma palavrinha amiga aos senhores jornalistas do Correio da Manhã que descobriram que o prémio gordo dá para comprar 35 milhões de quilos de lagosta.

posted by Dimitri Apalpamos @ 2:32 da tarde,




Toque e foge

Irritam-me os toques de telemóvel.
Já não bastava ter de ouvir conversas sobre bluetooth, e-mailing, messaging, toking, gajos a fazer despique de toques, no restaurante, com gemidos da Sharapova a jogar ténis(este por sinal até é interessante) e sirenes da polícia, agora há um novo produto para os amantes dos celulares: Toque do “ó malhão, malhão” em peidos.

Estou a imaginar uma entrevista de trabalho com o gajo que inventou este toque:
-“Então diga-me lá. O que é que sabe fazer?”
-“Tenho aqui o meu portfolio no telemóvel que lhe posso enviar por sms. Os graves são meus! Diga lá que não tá afinadinho? Esse aí que parece que saíu com molho é do meu vizinho...parece que foi de propósito mas não...”

O que eu quero dizer é o seguinte. Os telemóveis já são impossíveis com som e imagem.
O que é que vem a seguir? Telemóveis com cheiro?
Já estou a ver os anúncios:

“Faça o download do seu novo toque ‘peido de feijoada’e receba um traque colectivo dos D’ZRT”
“Agora disponível no portal TMN, os peidos afinados dos Anjos e uma bufa de José Castelo Branco ! Por apenas 2 euros”

Este post já cheira mal...tchau.

posted by Dimitri Apalpamos @ 11:58 da manhã,




Ó fazfavor?

Será que quem defende um novo aeroporto na Ota, é um Otário?

posted by Dimitri Apalpamos @ 10:10 da manhã,




22 julho 2005

E se um dia acabassem os ataques suicidas?

Esta é a questão que todos os infiéis queriam ouvir e que nem passa pela cabeça dos fundamentalistas islâmicos. Há quem diga que há muitos alvos ainda por atingir, principalmente os mais fáceis, tipo Portugal, mas há conhecimento de que estes últimos atentados em Londres foram o último suspiro de uma arte em vias de extinção.

Há teorias de que a morte de Arafat contribuiu para esta situação, outros atribuem o mérito ao pulso de ferro de Ariel Sharon (já agora, não deixa de ser estranho que um homem com nome de sereia da Disney seja tão duro, mas enfim), mas vamos ter de nos capacitar de um factor muito importante – estão-se a acabar as virgens no céu!

O problema, diz Al Said, é que “atingimos um ponto de ruptura”. Os atentados a partir de determinada altura, tornaram-se demasiados, chegando até a acontecer mais do que um por dia ou até mesmo sincronizados e neste momento não há possibilidade de gerar mais virgens. A MTV também não ajudou à causa. Diz Al Said: “Estamos com o stock esgotado e a única solução será voltar às entifadas, o que seria um passo atrás.”

É sem dúvida um caso grave e que merece a atenção da comunidade internacional. Há alguns investigadores com bolsas pagas pela Autoridade Palestiniana, que procuram contornar o problema tentando arranjar uma maneira de regenerar e reutilizar as virgens. Ou até fazer aprovar uma lei que permita a mudança de sexo.

A Al-Quaeda, por outro lado, tem tentado fazer umas abordagens ao suicidas de modo a fazer com que cedam algumas virgens só até o stock ficar restabelecido. An-Tónio, um conhecido suicida está contra esta medida:
“Estamos em tempo de crise e nestas altura é preciso poupar. Já só tenho 46 virgens e não tenho garantias nenhumas de que se emprestar algumas virgens elas serão devolvidas intactas. E se de repente se fizer a paz? Deixava de ser preciso produzir mais virgens e depois eu ficava a arder... Mas é que nem pensar! As que tenho são muito preciosas e suei muito para as arranjar.”

A Al-Quaeda, associada à Televisão Al-Jazeera têm ainda na manga um outro trunfo mais radical que está disposta a implantar – Um reality show que seleccionará apenas um homem bomba. O Bunker das Celebridades - doze pessoas fechadas numa casa, durante três meses, com todo o tipo de explosivos e coletes coloridos, e no final, apenas um poderá morrer e ter direito aos privilégios carnais com as virgens.
A TVI já comprou os direitos.

posted by Dimitri Apalpamos @ 3:27 da tarde,




19 julho 2005

Herman José é despedido da SIC com justa causa

É verdade! Acabou-se de saber que o seu programa foi cancelado e que Herman José foi despedido.
A razão da sua saída foi ter falhado os objectivos acordados entre a Estação e o apresentador, de converter o máximo de espectadores em homossexuais. As sondagens realizadas nos últimos meses indicam que poucos foram os portugueses que viram o programa e que desses, apenas 5 ficaram com dúvidas, mas mesmo assim não cederam.
A gota de água que fez transbordar a paciência da administração foi a música “És tão boa” que para além de ser plágio, vira as costas ao sentido do programa.
Sabe-se que o apresentador fez uns esforços de última hora, como pintar o cabelo de um louro mais claro, ter rapado os pelos do peito e ter comprado mais umas camisas de estampados, mas o processo de rescisão tornou-se irreversível.
Aguarda-se um comunicado do humorista sobre o seu futuro.
Quanto ao espaço de Domingo à noite, será ocupado por um programa de entrevistas\musical apresentado pela Dina. A estação de Carnaxide espera assim recuperar o tempo e objectivos perdidos.

Notícia de última hora:


Casa do Castelo abre e fecha até a fechadura estar estragada.

posted by Dimitri Apalpamos @ 1:24 da tarde,




18 julho 2005

Boletim noticioso Zarolho

Uma investigação do repórter Zarolho indicia que o filme “Era uma vez um Arrastão” é uma sequela pirata da série infantil “É uma vez na Vida” e “É uma vez no Espaço”. E como podem ver todos se estão a dar bem, independentemente da cor de pele.



No entanto e na sequência do êxito de “Era uma vez um Arrastão”, O governo decidiu dar um emprego à desempregada jornalista Diana Andringa para a sequela “Era uma vez... um défice”.

posted by Dimitri Apalpamos @ 4:33 da tarde,




Decidi dar uma vista de olhos pela banca de jornais.

O Público diz:

“Segunda missão tripulada chinesa ao espaço agendada para Outubro”

Sabe-se que a população de Júpiter aguarda ansiosamente a colecção Primavera\Verão da Lácouste e da Naique...

posted by Dimitri Apalpamos @ 3:42 da tarde,




15 julho 2005

Viva a Greve!

Como é que serão as reuniões dos sindicatos? Eu imagino-as assim deste modo:

O cenário

Apesar de terem uma sede onde se reunir, preferem a clandestinidade da sala de condomínios numa cave húmida de um edifício na Almirante Reis.
Dez da noite. Entra um senhor baixote, de bigode, com uma camisa aos quadrados aberta até meio do peito, tão esticada pela pança que se vê a barriga por entre os botões. Segura com uma mão uma pasta de cabedal enquanto a outra endireita os óculos de massa com um padrão tartaruga. São só 4 pessoas mas o momento é solene e há que respeitar a chegada de todos.
Antigamente as reuniões tinham centenas de pessoas. Uns já se reformaram da vida de luta pelos direitos dos trabalhadores. Outros apenas ficaram em casa a ver o Benfica.
A mesa é pequena para todo o material trazido do armazém da repartição de finanças. Cada um dos presentes tem à frente o equipamento necessário para uma reunião secreta: Um agrafador, um bloco de post-its, uma régua de 15 cm e um afiador de mesa.

E começa a reunião:

- O Carlos? Não vem?
- O gajo meteu baixa...
- Ah bom! Bem, quem faltar que meta o dedo no ar, hehehehe...

(pausa para risota geral e para o orador colocar a voz)

- Meus amigos, vem aí um momento alto na reinvidicação dos direitos dos trabalhadores!
Liguei agora para o nosso camarada do Instituto de Meteorologia e o gajo garante-me que neste fim de semana não vai chover!"

(outro momento de pausa no discurso forçado por uma vigorosa salva de palmas)

- Tenho ainda que vos dizer que já comecei a preparar a próxima greve! Acho inadmissível o Estado andar de mão dada com o patronato para prejudicar o proletariado. Unidos, conseguiremos ter um Verão de São Martinho com dignidade. Em princípio o tempo aguenta-se e sendo assim temos greve no dia 30 de Outubro! Serão 4 dias , meus senhores, 4 dias.....

(Mais um momento de pausa para palmas e entoação de uma música de Zeca Afonso)

- Quero que saibam que Dezembro será memorável! Já olharam para o Calendário? A história será reescrita! Não toleraremos que o Natal e Ano Novo calhem a um fim de semana! A luta não pára e iremos reinvidicar a alteração destas festividades para o ínicio do mês de Dezembro onde teremos duas pontes seguid....

Antes de acabar, a confusão é geral e os três sindicalistas levantam-se, ao rubro, e gritam bravo, bravo, bis, bis...

posted by Dimitri Apalpamos @ 11:08 da manhã,




13 julho 2005

Segredos para um casamento de sucesso

Muitas pessoas perguntam-me qual é o segredo para um casamento de sucesso, vá-se lá saber porquê. Não, eu até sei porque é que me perguntam. É que dei a mim mesmo um certificado de experiência em casamentos por ter alcançado um objectivo aparentemente difícil em Portugal de atingir que é estar casado há mais de doze meses.

Após muito tempo de meditação e um pires de caracóis apresento, a todos o que querem ser tão sucedidos no casamento quanto eu, uma lista de alguns pontos a ter em atenção:

A Corte

Este período pode determinar o eventual sucesso de um casamento. Este período tanto pode durar sete anos ou apenas umas minis. Para saber se realmente está pronto para casar eis um pequeno teste:

Qual é a idade da sua noiva e data de nascimento?
Qual é o nome todo da sua noiva?
Onde é que ela nasceu?

Se souber as respostas sem olhar para o B.I. dela, então está preparado.

O Casamento

Dá-se demasiada importância à cerimónia de casamento e menospreza-se o planeamento do casamento em si.
“A cerimónia dura um dia mas o casamento dura uma vida”. Esta a frase que deve recordar e dizer sempre que lhe apetecer dizer “700 euros por uma merda de um bolo?”

Se tiver dúvidas e quiser apoiar a sua decisão nas estatísticas posso lhe dizer que há estudos que apontam para que praticamente todos os casais com uniões de sucesso, já se casaram pelo menos uma vez.

A Lua de mel

As luas de mel muito elaboradas e à rico podem se tornar maléficas para a relação.
Em vez de escolher as Seycheles, escolha Quarteira e diga à sua esposa que “a partir daqui as coisas só podem melhorar!”

Argumentar nas discussões

Basta ir a uma papelaria qualquer para ver uma quantidade de livros com títulos tão sugestivos como “ Ponha o seu marido na ordem” ou “Porque é que as mulheres não sabem ler mapas e os homens não ouvem nada”, “aprenda a viver sozinha” ou “os homens não servem para nada”.
Acho que só pelos títulos dá para perceber porque é que estes livros não servem para nada...
Ainda para mais, qualquer discussão pode ser terminada com duas pequenas frases: “A culpa é minha. Bora pá cama!”. Já tá!

Dinheiro

Deve ser o tema que mais discussões gera. O melhor conselho que vos posso dar é: façam o máximo de dinheiro possível para nunca terem de discutir por ele. A história que os pobres contam que os ricos têm dinheiro mas são infelizes é mais um mito urbano. Aliás nem faz sentido. Se nem têm dinheiro para mandar cantar um cego como é que o têm para fazer estatísticas sociais?

O Romance

Eventualmente a chama das relações diminui. Há que manter a chama viva. Eis algumas dicas:

Errado – “Querida, vou só até ali ao café ter com o pessoal ver o jogo. Não esperes por mim”

Certo – “Querida, que dizes de eu, convidar o pessoal para vir ver o jogo cá a casa. Há cerveja no frigorífico?”

Ás vezes são as pequenas coisas...

Crianças

Se pensa que ter crianças fortalece o casamento pense duas vezes. Não percebo como é que se ama mais com a camisa cheia de vómito às 3 da manhã depois de 2 meses sem dormir. Se mesmo assim achar que consegue então é realmente um bom marido e pai.

Os Sogros

A melhor maneira de lidar com os sogros é imigrar para os antípodas ( os nossos são na Nova Zelândia). Ao menos diminuirá a possibildade de visitas surpresa.
Se a mudança de hemisfério não for prática, escolha uma mulher orfã.

Nota: Isto não se aplica à minha querida sogra, claro!

Espero que estas dicas sejam úteis.

posted by Dimitri Apalpamos @ 2:47 da tarde,




12 julho 2005

Pensamento Zarolho do dia

A vingança é um prato que se serve frio....com comida fora de prazo e num prato sujo!

posted by Dimitri Apalpamos @ 2:39 da tarde,




08 julho 2005

A arte de mictar

Houve muitas coisas que aprendi com os meus pais. Uma delas foi para não mijar no tampo da sanita.

“Não te esqueças de levantas o tampo!” –dizia constantemente a minha mãe. Ela dizia isto tantas vezes que para mim esta é uma das frases pilares ( eu agora podia fazer um trocadilho...) da minha educação. Acho mesmo que aos 9 anos já era um evitador profissional de pingos nos tampos. Foi preciso muito treino de pontaria, mas passado um tempo percebi que levantar o tampo dava-me um alvo maior e evitava discussões com a ala feminina lá de casa. Não foi assim tão difícil. Também comecei muito novo a aprender o ofício...

Hoje em dia esta arte está perdida. Já experimentaram ir a uma casa de banho do café do vosso bairro? Para além de costumar haver papel higiénico em tudo quanto é sítio menos no rolo, é manchas amarelas por tudo quanto é lado. Pessoalmente, acho que aqueles anúncios por cima das sanitas e urinóis também não ajudam em nada. Só distraem. Estar com um pé no único centímetro quadrado seco existente e o outro em equilíbrio no ar a rir com as anedotas na parede só pode dar asneira. Coitados daqueles que têm de fazer mais do que mictar...

Mas porquê continuar com este sistema de tampos? Porque é que os tampos tem de estar para baixo? E se os tampos estivessem sempre para cima e quem quisesse, apenas com um bocadinho de pressão, baixava-o? Depois ele subia sozinho.
Já foi inventado, acho eu. O que já foi inventado foram aqueles tampos eléctricos com uma capas de plástico de saco de supermercado que rodam. Mas esses só servem para promover a falta de pontaria.

É pois altura de voltarmos à educação tradicional e ensinar as futuras gerações a urinar! Se se consegue ensinar matemática, também se consegue ensinar um pouco de etiqueta no acto. É verdade que perdemos uma ou duas gerações que continuarão a mijar incontrolavelmente, mas não vamos desistir. Ainda vamos a tempo de salvar os mais novos.

Por falar nisso, tenho saudades dos programas infantis educativos como o Batatoon. Eles lá tinham a personagem perfeita para se aproximar dos miúdos e ensinar a lição– o sapo Xixi.

Possível slogan promocional:
Quem acerta na pia de pé não é filho do Nené, olé!”

posted by Dimitri Apalpamos @ 11:52 da manhã,




04 julho 2005

Os técnicos do churrasco

Chegou aquela altura do ano em que aparecem um pouco por todo o Portugal os técnicos de churrasco. É a altura do ano em que se pode ver gordos suados e com pelos nas costas, em tronco nu, com um avental todo cagado, numa mão uma travessa e na outra um leque de palha. Esta é a indumentária base. A mini é opcional.

Toda a gente gosta dum bom churrasco feito no quintal. Parece que a comida sabe melhor se for confeccionada ao ar livre, junto das moscas e mosquitos.

Há dois tipos de técnicos que fazem churrascos. Aqueles que com um fósforo e uma pinha fazem tudo e os que usam acendalhas ou briquetes. Pessoalmente respeito bastante os primeiros. Transmitem a sensação de que são capazes de alimentar a família. Os segundos são uns inúteis. Demoram meia hora a estudar a colocação do carvão e mais duas horas para o acender.
A diferença entre uns e outros é que os primeiros comem a horas decentes e os segundos depois de insultados encomendam uma pizza.

O problema é que as briquetes são um produto moderno feito segundo as regras de segurança do consumidor e por isso é uma das substâncias menos inflamáveis do planeta. Conseguem arder sozinhas e deixar um cheirinho especial na comida. Curiosamente, o filtro do cigarro na brasa também faz o mesmo efeito.

O técnico tradicional faz a brasa em qualquer sítio embora prefira uma jante decapada ou uma metade de bidon. Mas não pode ser um bidon qualquer. Tem de ser um que já tenha sido utilizado para transportar fertilizantes ou óleo de camião usado. É que faz toda a diferença!
O técnico que usa acendalhas tem um churrasco com rodinhas, vermelho, e com uma capota. Um ferrari dos churrascos, portanto...

Esta época dos churrascos é também extremamente competitiva. É nesta altura do ano que os churrasqueiros se encontram e discutem um lugar à frente do carvão. Avaliam-se performances e discutem-se técnicas de combustão e respectivos tempos.
São diálogos intensos e só para homens de barba rija (parecido com o dos pescadores).

No final tossem abraçados e comem tudo carbonizado, mas não faz mal – o que interessa é o convívio.

posted by Dimitri Apalpamos @ 4:20 da tarde,




01 julho 2005

As notícias que eu queria ver

A TVI apresenta um novo reality show "O Município das Celebridades" em que 12 famosos tentam gerir uma Câmara Municipal. Isaltino Morais e Valentim Loureiro parecem ser ainda os únicos participantes confirmados.

Legalização do Aborto é aprovado na Assembleia com efeitos retroactivos. Espanha fecha as fronteiras e recusa asilo político a Tino de Rãs.

Elsa Raposo recusa a candidatura a Cascais pois pondera uma corrida à Presidência da República.

Mulher do apresentador do programa mais realista da TVI, João Kleber, é-lhe infiel e filmou tudo.

Padre Vitor Melícias consagrado o master sodomita do Salão Erótico de Lisboa.

Os casamentos gays em Portugal vão ser permitidos por lei mas apenas para casais de sexos opostos.

Estão previstos 174 novos referendos para o próximo ano. Trespassam-se lugares na Assembleia e no Governo.

Invulgar onde de lesões nos pulsos entope o serviço de ortopedia no Hospital CUF das Descobertas.

posted by Dimitri Apalpamos @ 11:57 da manhã,