<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5923387\x26blogName\x3dO+Zarolho\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://ozarolho.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ozarolho.blogspot.com/\x26vt\x3d-5507826134421506364', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

O Zarolho

21 outubro 2004

As lojas de lingerie

No outro dia, estive numa loja de lingerie. E se há coisa que eu gostaria de gostar, é de lojas de lingerie! Não gosto muito das que existem. Eu explico:
Eu penso que a maioria dos proprietários deste tipo de lojas são senhoras. Só pode! E sinceramente, acho que pode haver muitos negócios que as Senhoras têm muito sucesso, mas não neste! Não faz sentido que sejam elas a gerir tamanha responsabilidade. É a lingerie do casal!
Não é de admirar que este mercado esteja tão mal aproveitado. Digo mesmo, subdesenvolvido.
Já foram a alguma? As peças de roupa estão em caixas, estão espalhadas em cestas pela loja, estão em manequins sem pernas e sem braços. Porra, pá! É difícil deixar de comparar um daqueles manequins desmembrado e branco como a cal, a tartarugas sem carapaça de fio dental! Ou pior ainda, velhas a atender! Não é bom para o negócio, com certeza.
Por isso e muito mais proponho o seguinte:
Quero evitar aquelas situações desagradáveis e embaraçosas, tal como quando chega a altura de responder aquela pergunta complicadíssima, “Qual o número?”, e em que olhamos envergonhadamente para tudo à espera de encontrar alguma cliente com atributos parecidos. Sugiro pois, que cada superfície de luxúria tenha vários modelos vivos de diferentes tamanhos, que se passeiem pela loja, e que estejam disponíveis para experimentar as peças de roupa. Tipo:
- “Olhe queria o sutiã da modelo 2 com as cuecas da modelo 14. O que é que acha? Já agora, não se importa de experimentar só para ver como é que fica?”

posted by Dimitri Apalpamos @ 4:26 da tarde,




<< Home