<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5923387\x26blogName\x3dO+Zarolho\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://ozarolho.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ozarolho.blogspot.com/\x26vt\x3d-5507826134421506364', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

O Zarolho

27 fevereiro 2006

Os donos dos cães deviam ter dono.

Chateiam-me conversas sobre cães e animaizinhos domésticos.
E se há coisa que me põe mesmo fulo são os donos desses animais que falam sobre personalidade dos bichos. Frases do género"Óóóó, tão querido...Eles percebem tudo! Este cão é mesmo inteligente!" ou pior ainda "Parece mesmo que está a chorar", deixam-me à beira de um ataque de nervos.

E não melhora em nada a minha opinião por saber que o cão até sabe se sentar, deitar e ir buscar a bola. Parabéns. Os filhos são uns malcriados, mas ao menos o cão sabe dar a pata!

Outra situação que me aflige é quando vou na rua e vem um animal com um cão pela trela. O bicho começa aos pulos, a cheirar-me os tomates e a rosnar. Eu congelei. Uso a táctica do não vou fazer movimentos bruscos. Já repararam que a besta do dono geralmente diz uma coisa assim: "Ele não o conhece e está só a cheirar! É só para o conhecer." ou "Não tenha medo, ele não morde". Olha, badamerda. O que é que isso interessa? Eu não quero conhecer cães, até queria vir por aqui porque é mais perto e não me está a apetecer ficar com as calças babadas. Mas não! O cão está só a brincar, que giro... o que é que isso tem de mal?

Pior só mesmo aqueles que acham que os animais têm um sensor que distingue as pessoas boas das más. Acham que o cão ladra para aquela pessoa, porque ela é má. Eu não a conheço, mas o cão ladrou, está decidido, vou evitar o contacto visual, mudar de passeio porque o cão é que sabe. Eu não sei, mas o cão que anda a cheirar merda, sabe.

Isso é outra questão - os gajos que beijam os cães e em público. Como se já não fosse suficientemente mau falarem como bebés para cães, também são lambidos. Será que eles não acabaram de ver o bicho a lamber o cu ao outro cão? "É tão querido, não é?"

É por essas e por por outras que acho que a lei que obriga os donos a apanharem a caca do chão é extremamente bem pensada. É exactamente aquilo que essas bestas merecem. Andarem a apanhar merda de cão da rua. Sorrio sempre com grande satisfação ao ver as pessoas no seu patamar intermédio na cadeia de evolução - Lesma, Macaco, Homem, Cão. Por isso é que ainda não fomos contactados por extraterrestres. Mas os cães foram. Têm quem lhes embrulhe as poias e tudo!
Por outro ponto de vista, os gatos é que foram. Os cães estão para os gatos, como um dono de um cão está para uma pedra. Porque segundo esses entendidos de psicologia animal, "os gatos têm vontade própria". Eles é que mandam. "Têm uma personalidade muito forte". São seres superiores, que vivem em constante meditação e que não ligam puto ao comum humano. Ainda assim os gatos são simpáticos por deixarem que os seus donos vivam na sua casa. E para além disso "são muito asseados"!

É pois, meio moderno, meio rural ter um bicho num apartamento. Não sei se é para se lembrarem da Quinta dos Avós, dos porcos, das vacas, das galinhas, ou por quererem ter uma quinta, o que sei é que as pessoas fazem das marquises as suas quintas e as folhas de jornal no chão para o bicho se aliviar, o campo, a mata, o terreno... Há ainda que juntar a gaiola com o periquito que evoca aquelas manhãs campestres de outrora em que se era acordado pelo chilrear dos pássaros. Que bonito que é viver num oitavo andar na aldeia!

É um espectáculo ter que partilhar o elevador com estas gentes do campo e os seus animais domésticos encostado a um canto muito sossegadinho. Eu, o cão que não morde, cheira, um saco com uma poia e um palhaço a descrever-me a última patifaria do bicho. O traquinas!
Ainda me obriga a fazer uma festinha ao bicho para ele me ficar a conhecer melhor porque o cão só quer ser meu amigo.
Conclusão - Mostro o meu sorriso mais amarelo, nem tiro as mãos dos bolsos e ficam ofendidos.
Caguei bem de alto! Querem vir apanhar com um saquinho?

posted by Dimitri Apalpamos @ 5:20 da tarde,




<< Home