<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5923387\x26blogName\x3dO+Zarolho\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://ozarolho.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ozarolho.blogspot.com/\x26vt\x3d-5507826134421506364', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

O Zarolho

07 novembro 2005

...Aniversários...pfff...

Provavelmente enquanto estão a ler este post, eu estou a beber uns valentes copos e a festejar o meu aniversário. Ou isso ou então estou a ter um ataque de depressão.

Alguns de vocês ainda pensam que fazer anos é giro e tal. Para esses, vão à merda! Os aniversários já não são nada de especial. Não há nada para festejar.
Já não sou adolescente e por isso não preciso de aproveitar este dia para apanhar aquela bebedeira. Já atravessei as festas da maioridade dos 18 e 21, o primeiro aniversário depois de formado, o primeiro depois de casado e o primeiro depois do Big Brother Famosos. Até já tentei festejar o aniversário do blog, mas não é a mesma coisa... A verdade é que esgotei os motivos que me entusiasmavam festejar. E ao mesmo tempo ainda estou muito longe de atingir os festejos dos quarenta. É que ao menos quando chegar aos quarenta posso esperar uma crise de meia idade. Aos quarenta saberei que posso fazer tudo: dormir com uma miúda com metade da minha idade, comprar um descapotável e usar camisas por fora das calças. Até lá tenho que atravessar um deserto.

Durante estes últimos anos pude disfarçar mas agora sou definitivamente um adulto. Cheguei ao ponto em que a negação se encontra com a realidade. É a idade em que se diz que se é capaz de sair à noite como antigamente e a seguir ir trabalhar mas trabalhar e ressonar ao mesmo tempo incomoda os colegas. É a idade em que se diz gostar da MTV, mas na realidade já só se vê VH1. É a idade em que se fala que se tem uma farta cabeleira mas se assiste diariamente a uma migração capilar na direcção da nuca e das orelhas. É a idade em que todos te tratam por senhor mas os bancos não te dão o empréstimo.
Felizmente o meu tipo de negação é tão profundo que ainda não fui atingido por nenhum destes problemas.

No final acho até, que as meias que vou receber, passaram a ser uma coisa positiva dos aniversários.

posted by Dimitri Apalpamos @ 6:17 da tarde,




<< Home